Doenças genéticas hereditárias

Conhecem-se várias doenças resultantes da existência de alterações na estrutura de determinados genes e transmitidas aos descendentes pelos indivíduos afectados ou pelos podadores assintomáticos do defeito genético.

Generalidades

Topo A dotação cromossómica determina as características anatómicas e fisiológicas de cada indivíduo, tanto normais como patológicas, e neste sentido pode-se considerar que na origem de várias doenças participam factores genéticos. No entanto, muitas dessas doenças dependem de uma actividade anómala conjunta de diversos genes e algumas manifestam-se apenas quando coincidem determinados factores ambientais, pelo que não são consideradas, no sentido estrito, como doenças genéticas. Nestes casos, fala-se de "predisposição hereditária": a existência de antecedentes familiares aumenta a probabilidade de se apresentarem, mas não é determinante.

É diferente o caso das doenças que derivam especificamente da existência de algum defeito em apenas um gene estrutural e, por isso, na proteína que codifica, ou seja, nas denominadas alterações monogénicas - são estas as consideradas doenças genéticas hereditárias. Dado que existem tanto genes dominantes como recessivos e que alguns indivíduos apresentam a mesma versão de um determinado gene nos dois cromossomas homólogos correspondentes (homozigóticos), enquanto que outros têm diferentes versões de um determinado gene em ambos os cromossomas homólogos (heterozigóticos), são várias as possibilidades de ser afectado por um defeito genético e de transmitir um gene defeituoso aos descendentes. Assim, estas doenças manifestam-se em todos os indivíduos que possuem na sua dotação cromossómica apenas um gene defeituoso dominante ou a mesma versão de um gene defeituoso recessivo nos dois cromossomas homólogos, transmitindo-se aos descendentes segundo as rígidas leis da hereditariedade.

Causas

Topo Todas as doenças genéticas hereditárias devem-se à existência na dotação cromossómica de um gene defeituoso e, como consequência, a uma alteração da síntese da proteína que esse gene codifica, que pode corresponder a uma enzima ou outro elemento com um papel mais ou menos importante no funcionamento orgânico. O tipo de doença e a sua gravidade dependerão da actividade da proteína cuja síntese é regulada pelo gene defeituoso, mas a base é a mesma em todos os casos: o gene alterado dará lugar à produção de uma proteína anómala ou em quantidades anormais, com a consequente perturbação bioquímica responsável por uma determinada doença. São vários os exemplos: um dos mais conhecidos corresponde à hemofilia, provocada pela existência de um defeito num gene que codifica uma proteína que actua como factor da coagulação e que, ao não ser produzida correctamente, favorece um quadro caracterizado pela tendência para hemorragias.

Uma condição necessária para que se manifeste uma doença deste tipo é o defeito genético estar presente em todas as células de um indivíduo, o que pode acontecer por dois motivos: porque o defeito já está presente na dotação cromossómica herdada dos progenitores ou porque se produz no momento da formação das células germinativas, cuja união dá origem a um novo ser. Assim, uma possibilidade implica que existam já antecedentes familiares da doença, enquanto que a outra implica o "aparecimento" do defeito genético numa das células germinativas que dão origem a um novo ser, que posteriormente o transmitirá à sua descendência. Esta última hipótese pode acontecer como consequência de uma falha na replicação do ADN durante o processo de divisão dos elementos precursores das células germinativas: por vezes, tra-ta-se de uma mutação, ou seja, de uma transformação brusca que se produz espontaneamente e de forma imprevisível por mecanismos naturais pouco claros, envolvidos no mecanismo da evolução das espécies, enquanto que noutros casos deve-se à acção de agentes que produzem danos nos cromossomas ou alteram a sua replicação, tais como radiações, substâncias químicas, vírus, exposição a temperaturas elevadas, etc.

As falhas na replicação do ADN podem originar diversas alterações na estrutura dos genes, que são formados por uma sucessão bem definida de tripletos de bases nitrogenadas. Assim, pode ocorrer a substituição de uma base nitrogenada por outra diferente, a perda de uma base presente no gene original (eliminação) ou a incorporação de alguma que não estava presente (adição). Como consequência de qualquer um destes erros, o gene já não poderá codificar correctamente a proteína correspondente e, se esta cumpre um papel importante no funcionamento orgânico, produzir-se-á uma doença.

Informações adicionais

Conceito de portador

Topo

Nem todos os indivíduos que têm um gene defeituoso na sua dotação cromossómica sofrem de uma doença genética, porque o gene em questão pode ser recessivo e expressar-se apenas quando está presente nos dois cromossomas homólogos; assim, se uma pessoa tiver num dos componentes de um par de cromossomas homólogos um gene defeituoso recessivo e no outro um gene normal, não terá qualquer problema. No entanto, poderá transmitir esse gene defeituoso à descendência: se um filho receber o mesmo gene defeituoso recessivo do outro progenitor, terá a mesma versão alterada em ambos os cromossomas homólogos e, aí sim, sofrerá da doença. Por isso, diz-se que o indivíduo que tem na sua dotação cromossómica um só gene defeituoso recessivo é "portador" do defeito genético: não sofrerá da doença provocada por esse gene, mas pode transmiti-lo à sua descendência e poderá ter descendentes, mesmo saltando gerações, que sejam afectados pela doença em questão.

O médico responde

Topo

Por vezes, ouço falar de doenças congénitas e não sei se é o mesmo que doenças genéticas...

Não, os dois conceitos são diferentes, embora por vezes possam coincidir. Fala-se de doenças congénitas para designar as perturbações que estão presentes desde o nascimento, mas muitos defeitos genéticos não se manifestam até muitos anos depois do nascimento e, pelo contrário, muitas alterações congénitas não têm necessariamente uma origem genética.

Possibilidades de diagnóstico

Topo

Hoje em dia, pode-se detectar com precisão genes defeituosos ou determinados marcadores de várias doenças genéticas. No entanto, estes exames requerem técnicas de laboratório sofisticadas, que se devem aplicar apenas uma de cada vez, para encontrar um determinado factor de risco. Significa que ainda não existem procedimentos para investigar ao mesmo tempo e "às cegas" todas as doenças genéticas, pelo que a procura deve realizar-se para cada caso específico quando se produzirem circunstâncias que assim o aconselhem.

Para saber mais consul
Este artigo foi útil?
Artigos relacionados
Procurar Médicos
Precisa de ajuda?
Porque perguntamos?

A PHP Error was encountered

Severity: Notice

Message: Undefined variable: frase_medicos_especialidade_18

Filename: artigo/enciclopedia.php

Line Number: 418

Dor lombar e ciática Aparelho locomotor/exercício físico
Dor cervical Aparelho locomotor/exercício físico
Artrose Aparelho locomotor/exercício físico
Nódulos e pólipos das cordas vocais Aparelho respiratório/glândulas endócrinas
Lesões dos meniscos Aparelho locomotor/exercício físico
Tumores benignos do ovário Aparelho reprodutor/sexualidade