Ventilação mecânica

Existem inúmeras situações provocadas por uma insuficiência respiratória, tanto pela deficiente troca gasosa entre o ar e o sangue a nível pulmonar, como por uma insuficiência nos movimentos respiratórios, em que pode ser necessário recorrer a utilização de um dispositivo mecânico, denominado ventilador ou medidor, de modo a proceder à insuflação dos pulmões e garantir a adequada oxigenação do paciente.

Existem inúmeras situações provocadas por uma insuficiência respiratória, tanto pela deficiente troca gasosa entre o ar e o sangue a nível pulmonar, como por uma insuficiência nos movimentos respiratórios, em que pode ser necessário recorrer a utilização de um dispositivo mecânico, denominado ventilador ou medidor, de modo a proceder à insuflação dos pulmões e garantir a adequada oxigenação do paciente.

O aparelho é composto por vários componentes, entre os quais se destaca uma bomba ou um fole, ligado directamente através de tubos ao sistema respiratório do paciente, de modo a introduzir ar com pressão nos seus pulmões. Quando se prevê que a necessidade de apoio respiratório será curta e se o paciente estiver consciente e lúcido, a ligação pode ser realizada através de uma máscara ou uma abertura, mas é muito comum que se tenha de recorrer a uma via artificial, como acontece quando o paciente está em estado crítico, quer seja através de uma intubação endotraqueal (introdução de um tubo de plástico oco através da boca ou do nariz até à traqueia) ou, caso a necessidade de ventilação artificial seja prolongada, de uma traqueostomia (abertura da traqueia através de uma incisão no pescoço, de modo a introduzir uma cânula no seu interior). O ventilador conta igualmente com um sistema de válvulas unidireccionais, cuja abertura e encerramento condicionam as várias fases respiratórias, pois conta com uma válvula inspiratória, cuja abertura permite a passagem de ar com pressão até aos pulmões, e uma válvula expiratória que, em seguida, possibilita a saída de ar dos pulmões para o exterior. Para além disso, existe um conjunto de comandos que permite regular a precisão ou o volume do ar insuflado, a concentração de oxigénio, a frequência das respirações, etc.

De facto, existem vários modelos de ventiladores mecânicos, diferenciados pela sua forma de acção: por exemplo, alguns aparelhos denominados medidores manométricos, que insuflam o ar até alcançar uma pressão previamente determinada no interior dos pulmões, permitindo o seu espontâneo esvaziamento, graças à sua elasticidade, ou outros denominados medidores volumétricos, que se limitam a insuflar de cada vez uma quantidade de ar previamente determinada.

As formas de utilização do medidor também são muito diferentes. Por vezes, quando o paciente está consciente e é possível regular a frequência e o início da respiração, o aparelho, ao detectar o início da inspiração, limita-se a insuflar uma determinada quantidade de ar. Noutros casos, se o paciente não tiver capacidade para desencadear os movimentos respiratórios, o aparelho encarrega-se por completo da regulação da frequência e das restantes características da respiração.
Para saber mais consulte o seu Anestesiologista
Este artigo foi útil?
Artigos relacionados
Procurar Médicos
Precisa de ajuda?
Porque perguntamos?
ANESTESIOLOGISTASVer todos
Dor lombar e ciática Aparelho locomotor/exercício físico
Dor cervical Aparelho locomotor/exercício físico
Artrose Aparelho locomotor/exercício físico
Nódulos e pólipos das cordas vocais Aparelho respiratório/glândulas endócrinas
Lesões dos meniscos Aparelho locomotor/exercício físico
Tumores benignos do ovário Aparelho reprodutor/sexualidade