Tuberculose pulmonar

A tuberculose pulmonar é a forma de aparecimento mais comum da doença infecciosa provocada pelo bacilo de Koch.

Causas

Topo

A tuberculose, uma das doenças infecciosas mais difundidas em todo o mundo, é provocada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, igualmente designada como bacilo de Koch, em honra de quem a descobriu no ano de 1882. De facto, trata-se de uma doença que pode atacar vários tecidos do organismo, embora o sector mais afectado, e muitas vezes o único, seja o pulmonar. O contágio habitualmente faz-se por via respiratória, mediante a inalação de pequenas gotas de saliva suspensas no ar contaminadas com o bacilo de Koch, provenientes de um paciente com tuberculose pulmonar activa, inadequadamente tratada. De uma forma geral, para haver contágio, é necessário um contacto muito próximo ou uma exposição muito repetida, pois este microorganismo sobrevive muito pouco tempo no meio ambiente. Além disso, o contágio nem sempre evolui até ao desenvolvimento da doença, pois normalmente o sistema imunitário do organismo consegue travar este processo. Por isso, a tuberculose pulmonar costuma afectar especialmente as pessoas que vivem em condições de aglomeração e indivíduos cujas defesas estão debilitadas por uma razão qualquer: má nutrição, alcoolismo, diabetes, outras doenças infecciosas graves e, em especial, doenças que provocam deficiência imunológica, como a SIDA.

Evolução e sintomas

Topo

Primo-infecção tuberculosa. Ao ocorrer o primeiro contacto do tecido pulmonar com o bacilo de Koch, produz-se o que se conhece como primo-infecção tuberculosa. Os microorganismos que entram pelas vias respiratórias costumam localizar-se nas zonas mais ventiladas do pulmão, ou seja, no vértice ou no segmento superior do lobo inferior; aqui, ocorre uma reacção defensiva que os encapsula, formando um pequeno nódulo conhecido por folículo tuberculoso primário. Este folículo e a inflamação dos gânglios linfáticos localizados no hilo pulmonar constituem o complexo primário. A primo-infecção tuberculosa passa despercebida em cerca de 90% dos casos, porque a reacção defensiva trava a sua evolução antes que surja qualquer sintoma. De qualquer forma, nos restantes casos, é possível que surjam vários sinais e sintomas, nomeadamente tosse seca, perda de apetite, debilidade, febre ligeira e suores abundantes. Apesar de tudo, estes sinais e sintomas costumam remítir espontaneamente ao fim de alguns dias ou poucas semanas. De facto, nesta face, apenas num reduzido número de casos, os microorganismos propagam-se pelo tecido pulmonar ou pelo sangue, o que faz com que a infecção se estenda a outros tecidos, provocando inúmeros focos e originando o que se conhece como tuberculose miliar.

A primo-infecção tuberculosa costuma ocorrer nas primeiras décadas de vida e de tal forma que se estima que uma percentagem muito elevada da população dos países desenvolvidos tenha já sido afectada, embora passe despercebida na maioria dos casos e sem consequências relevantes.

Tuberculose pós-primária. A tuberculose pos-primaria produz-se quando uma pessoa desenvolve a doença sem ter estado previamente em contacto com o bacilo de Koch, evidenciando uma primo-infecção tuberculosa com ou sem sintomas. Na prática, este processo ocorre quando se produz um novo contágio ou, com maior frequência, quando os microorganismos isolados no interior das lesões primárias se voltam a activar, devido a uma diminuição das defesas. Neste caso, as lesões e os sinto-mas costumam ser muito mais graves do que na primo-infecção tuberculosa, o que se deve, em parte, ao facto de os bacilos se alastrarem pelos pulmões, mas essencialmente porque o sistema imunitário, previamente sensibilizado, reage de forma muito mais activa, gerando uma inflamação mais intensa, extensa e prolongada.

Os sintomas costumam manifestar-se gradualmente ao longo de semanas e meses. Os mais comuns são tosse, com expectoração por vezes sanguinolenta, dor torácica, febre moderada (normalmente acompanhada de arrepios, sobretudo durante a noite), dor de cabeça, perda de apetite e uma evidente perda de peso corporal.

Caso não se inicie o tratamento, o processo infeccioso e a reacção inflamatória agravam-se, provocando uma progressiva destruição do tecido pulmonar. Por isso, nas fases mais avançadas da doença, as quais actualmente não se costuma chegar graças a instauração do tratamento antibiótico específico, podem-se produzir cavitações características no tecido pulmonar, conhecidas como cavernas tuberculosas. Estas constituem focos infecciosos a partir dos quais os microorganismos se podem disseminar facilmente aos tecidos adjacentes e, através do sangue, a órgãos mais ou menos afastados. A tuberculose pulmonar pode comprometer extensas áreas dos pulmões, originar hemorragias com expectoração hemoptísica e provocar uma grave insuficiência respiratória.

Tratamento

Topo

O tratamento de base consiste na administração de vários tipos de antibióticos activos contra o bacilo de Koch (três ou quatro, conforme os casos), os quais devem ser administrados simultaneamente, no mínimo, durante seis a nove meses.

As lesões causadas podem curar-se progressivamente através de antibioterapia específica, de tal forma que se considera que, ao fim de duas ou três semanas de tratamento, o bacilo já não se encontra activo e a probabilidade de contágio já é bastante reduzida.

De qualquer forma, para se alcançar a cura definitiva do paciente, torna-se indispensável cumprir rigorosamente o tratamento antibiótico até ao final; caso contrário, se o tratamento indicado não for cumprido de forma rigorosa, pode-se produzir uma reactivação do processo, o que irá provocar uma maior resistência dos bacilos aos medicamentos e um substancial agravamento das lesões.

Informações adicionais

O exame da tuberculina

Topo

A tuberculina é um filtrado que se obtém a partir da colheita de bacilos de Koch, denominado derivado proteico purificado (PPD).

A sua aplicação a nível cutâneo serve, segundo a reacção produzida, para revelar a sensibilidade do organismo à infecção tuberculosa, para que seja possível diagnosticar a tuberculose ou avaliar a eficácia da vacina BCG.

O exame pode ser realizado através de vários métodos. O mais utilizado corresponde a uma injecção intradérmica no antebraço, que se conhece como teste de Mantoux. Ao fim de 48 a 72 horas, inspecciona-se o local de inoculação para verificar a reacção: se se detectar um endurecimento superior a 9 mm de diâmetro, considera-se que o exame é positivo e a pessoa esteve em contacto com o bacilo de Koch, apesar de não sofrer necessariamente de uma infecção activa - pode ser resultado, por exemplo, de uma prévia administração da vacina BCG; caso se evidencie uma reacção limitada (entre 5 a 9 mm), esta é considerada duvidosa e pode ser necessário repetir o exame. Também é possível administrar o PPD por escarificação (reacção cutânea), embora este método seja menos fiável, tendo em conta que pode dar resultados falsos positivos ou falsos negativos. Um outro método utilizado é a aplicação de um emplastro impregnado com PPD no peito ou nas costas durante 48 horas. Este método, menos fiável, mas de fácil realização, costuma ser utilizado nas crianças em idade escolar.

Para saber mais consulte o seu Médico Internista ou o seu Pneumologista
Este artigo foi útil?
Artigos relacionados
Procurar Médicos
Precisa de ajuda?
Porque perguntamos?
MÉDICOS INTERNISTASVer todos
PNEUMOLOGISTASVer todos
Dor lombar e ciática Aparelho locomotor/exercício físico
Dor cervical Aparelho locomotor/exercício físico
Artrose Aparelho locomotor/exercício físico
Nódulos e pólipos das cordas vocais Aparelho respiratório/glândulas endócrinas
Lesões dos meniscos Aparelho locomotor/exercício físico
Tumores benignos do ovário Aparelho reprodutor/sexualidade