Drepanocitose

Doença hereditária caracterizada pela produção de uma hemoglobina anómala, que apenas afecta pessoas de raça negra.

Causas

Topo

A doença deve-se a um defeito genético hereditário, que determina a produção de uma hemoglobina defeituosa, denominada hemoglobina S. Neste tipo de hemoglobina, as cadeias de globina beta têm uma constituição defeituosa e, especialmente perante a escassa presença de oxigénio, tendem a unir-se entre si provocando uma deformação dos glóbulos vermelhos, que adoptam uma peculiar forma de foice em vez da sua habitual forma de disco bicôncavo, o que proporciona a prematura destruição dos glóbulos vermelhos afectados, provocando uma anemia do tipo hemolítico. Para além disso, os glóbulos vermelhos de forma atípica, pouco flexíveis, têm dificuldade em circular pelos vasos sanguíneos de diâmetro mais reduzido (capilares), podendo obstrui-los e provocar alterações na assimilação de sangue dos tecidos encarregues de irrigar.

A doença apenas se desenvolve em pessoas que herdam o gene defeituoso de ambos os progenitores, pois quem somente herdar o gene anómalo de um único progenitor não será afectado pela doença, pois conta com um gene normal que, só por si, garante a produção suficiente de hemoglobina A, impedindo a deformação dos glóbulos vermelhos. De qualquer forma, estas pessoas, por serem portadoras do defeito genético, podem transmiti-lo aos seus filhos, que irão sofrer da doença, caso também o herdem do outro progenitor.

Manifestações e evolução

Topo

A doença costuma manifestar-se logo a partir dos primeiros 6 meses de vida, embora apenas se evidencie, ocasionalmente, por volta dos 20 anos. Surge sob a forma de crises, por vezes sem causa aparente, mas pode ser desencadeada por factores como a altitude, exposição ao frio, infecções, estados de desidratação ou administração de determinados medicamentos. Durante as crises, produz-se uma intensa destruição dos glóbulos vermelhos deformados e também alterações provocadas pelo bloqueio dos vasos sanguíneos mais finos: por um lado, origina os sintomas próprios de uma anemia do tipo hemolítico, tais como palidez, cansaço, dores de cabeça, sensação de falta de ar, coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), entre outras; por outro lado, apresentam-se manifestações resultantes da insuficiência circulatória, que podem ter diversas repercussões conforme o órgão afectado: dores nos ossos, problemas pulmonares, renais, intestinais e cerebrais, com uma variada gama de sintomas e complicações capazes de deteriorar a qualidade de vida do paciente e até provocar a sua morte. Em algumas das crianças afectadas pode ocorrer um aumento significativo do baço e uma destruição tão rápida de glóbulos vermelhos que provoca uma anemia grave, potencialmente mortal.

Informações adicionais

Prognóstico

Topo

A drepanocitose não tem cura e o seu prognóstico é muito grave, de tal forma que até há algumas décadas atrás era praticamente fatal, na infância. No entanto, actualmente, existem vários recursos terapêuticos que podem ser utilizados na prevenção ou resolução das complicações como, por exemplo, vacinas e antibióticos para combater as infecções, analgésicos para eliminar a dor, administração de oxigénio durante as crises, suplementos vitamínicos, extracção do baço quando aconselhável, transfusões... Graças a estes tratamentos, embora a mortalidade continue elevada, sobretudo nos mais pequenos, muitos pacientes conseguem alcançar a idade adulta com uma qualidade de vida razoável.

Para saber mais consulte o seu Hematologista
Este artigo foi útil?
Artigos relacionados
Procurar Médicos
Precisa de ajuda?
Porque perguntamos?
HEMATOLOGISTAS
Dor lombar e ciática Aparelho locomotor/exercício físico
Dor cervical Aparelho locomotor/exercício físico
Artrose Aparelho locomotor/exercício físico
Nódulos e pólipos das cordas vocais Aparelho respiratório/glândulas endócrinas
Lesões dos meniscos Aparelho locomotor/exercício físico
Tumores benignos do ovário Aparelho reprodutor/sexualidade