Características do recém-nascido

O bebé evidencia, imediatamente após o nascimento, características típicas que se vão alterando progressivamente ao longo dos dias seguintes e das primeiras semanas de vida.

Peso e dimensões

Topo O peso e as dimensões do recém-nascido variam consoante os casos, por vezes de forma significativa, devido ao facto de serem parâmetros relacionados com factores genéticos (progenitores altos costumam ter filhos mais altos do que os baixos) e com inúmeras circunstâncias ambientais (alimentação da mãe, hábito de fumar, possíveis complicações ao longo da gravidez...). Todavia, de um ponto de vista estatístico, a informação mais relevante para se fa- lar de "normalidade" está relaciona- da com a idade gestacional, ou seja, com o tempo de gravidez ocorrido até ao momento do parto.

Entre as 37a e 42a semanas de gravidez, os recém-nascidos costumam pesar entre 2,5 e 4 kg, em média 3,5 kg nos rapazes e 3,250 kg nas raparigas. Caso se encontre dentro dos valores citados, considera-se que o peso é normal; se for inferior aos 2,5 kg, considera-se que o recém-nascido está abaixo do peso; se ultrapassar os 4 kg, considera-se que tem excesso de peso. De facto, a relação do peso com a idade da gravidez é extremamente importante - por isso, é normal que um bebé prematuro, nascido antes da 37a semana de gravidez, tenha um peso inferior a 2,5 kg, o que para a generalidade dos recém-nascidos representaria um peso baixo e indicaria a possibilidade de ter sofrido um problema de desenvolvimento durante a gravidez. O mesmo ocorre com a margem de peso a mais, pois considera-se que um recém-nascido tem excesso de peso quando ultrapassa os 4 kg, embora se possa considerar excesso de peso quando um recém-nascido prematuro tem um peso inferior a estes valores.

A mesma situação acontece com todas as dimensões do corpo do recém-nascido, tendo sempre em conta a idade da gravidez. A altura dos recém-nascidos, ou seja, a medida da parte superior da cabeça à planta dos pés, oscila entre os 48 e os 52 cm, em média 50 cm para os meninos e 49 cm para as meninas. O perímetro craniano mede, em média, 34 cm, enquanto que o perímetro torácico é de cerca de 32 cm.

Pele

Topo A pele do bebé que acaba de nascer é lisa e macia, excepto nas mãos e nos pés, onde costuma estar mais fria, seca e um pouco enrugada devido à sua longa permanência no líquido amniótico. Embora a pele, de início, fique vermelha ou adopte uma cor arroxeada, sobretudo nas mãos e pés, quando a temperatura ambiental é fria e devido à imaturidade do mecanismo de regulação dos vasos sanguíneos superficiais, por vezes aparecem manchas vermelhas e esbranquiçadas que lhe dão um aspecto semelhante ao mármore. Ao fim de algumas horas ou no máximo alguns dias, a pele adquire uma típica coloração rosada homogénea e perceptível ao tacto como quente.

De facto, a pele do bebé encontra-se, após o nascimento, revestida por uma substância esbranquiçada untuosa, denominada vérnix caseosa, especialmente abundante nas pregas da pele, protegendo o feto, durante a última parte da gravidez, do contínuo contacto com o líquido amniótico, constituindo igualmente uma protecção ao longo das primeiras horas de vida independente. Apesar de grande parte desta substância sair com as primeiras lavagens, os restos acabam sempre por secar e desaparecer de maneira espontânea nos primeiros dias de vida.

Existem casos, sobretudo quando o parto é efectuado antes da data prevista, em que o corpo do recém-nascido se encontra revestido por uma fina penugem de cor escura, denominada lanugo, por vezes densa em parte da face, ombros, costas e membros. O lanugo não se evidencia com muita frequência, porque esta penugem, que aparece sobre a superfície do feto no quarto mês de gravidez, tem tendência para desaparecer ao longo do nono mês de gravidez. Caso ainda persista após o nascimento, acaba por se desunir nas duas primeiras semanas de vida, sendo substituído pela penugem normal.

Existem casos em que o corpo do bebé evidencia manchas roxas, correspondentes a pressões ou traumatismos produzidos ao longo do trabalho de parto, as quais desaparecem ao fim de alguns dias. Muito mais comuns são as manchas de nascimento que se evidenciam em praticamente todos os recém-nascidos e que têm uma evolução variável consoante o seu tipo (ver caixa).

O rosto do bebé, sobretudo o nariz e o queixo, costuma apresentar pequenos pontos esbranquiçados, do tamanho de uma cabeça de alfinete, correspondentes a acumulações de secreções nas glândulas sebáceas, denominadas millium, pequenos quistos que desaparecem espontanea- mente ao fim de algumas semanas.

Cabeça e cara

Topo A forma da cabeça dos recém-nascidos varia bastante, sobretudo em função do tipo de parto, pois caso o mesmo seja efectuado através de uma cesariana, a cabeça é redonda e simétrica, enquanto que após um parto vaginal costuma estar deformada, muitas vezes alongada, devido às compressões sofridas durante a sua passagem pelo canal de parto. Esta é uma situação normal, na medida em que, como os ossos da cabeça do feto não estão unidos, a realização de um parto de apresentação cefálica pode proporcionar a sua deslocação e sobreposição, de modo a que a cabeça possa atravessar o estreito canal para sair para o exterior, embora retorne rapidamente à sua posição normal, provocando o desaparecimento das eventuais assimetrias em poucos dias. A acumulação de líquido seroso nas partes moles adjacentes à pele costuma provocar uma dilatação na parte do crânio sujeito a uma maior pressão ao longo do parto, num fenómeno denominado caput succedaneum, apesar de esta tumefacção desaparecer ao fim de poucos dias sem que seja necessário qualquer tratamento. Noutros casos, a parte superior do crânio evidencia uma proeminência correspondente à acumulação de sangue na membrana externa de algum osso craniano - o fenómeno cefalo-hematoma. Esta dilatação costuma diminuir de forma espontânea até desaparecer, ao fim de algumas semanas, embora por vezes persista durante alguns meses, sem originar qualquer complicação ou necessitar de tratamento.

A cara do recém-nascido também pode ficar tumefacta e apresentar assimetrias devido às compressões sofridas ao longo do parto, alterações corrigidas naturalmente em pouco tempo. Pelo mesmo motivo, o bebé pode apresentar um inchaço das pálpebras que o impede de abrir bem os olhos durante alguns dias, enquanto que a ruptura dos vasos capilares po- de originar pequenas hemorragias nas conjuntivas, que são reabsorvidas ao fim de algumas semanas. Ao longo destes primeiros momentos, a cor dos olhos de todos os bebés é semelhante, azul acinzentado, pois ainda faltam vários meses até que adquiram a sua tonalidade definitiva.

Seios e genitais

Topo Ao longo dos primeiros dias de vida, tanto as raparigas como os rapazes evidenciam uma ligeira tumefacção do tecido mamário, devido ao influxo das hormonas maternas que ainda circulam pelo seu organismo, num fenómeno designado ginecomastia neonatal, não muito grave. É igualmente possível que os seios do bebé, menino ou menina, produzam uma secreção semelhante ao leite, o denominado "leite das bruxas", um facto fisiológico também sem gravidade e que não necessita de qualquer tratamento, tendo em conta que desaparece de maneira espontânea em pouco tempo.

Os efeitos das hormonas que passaram da mãe para o feto, ao longo da gravidez, proporcionam a tumefacção dos genitais dos recém-nascidos. Os rapazes apresentam o escroto inchado, que fica com um tamanho de tal forma significativo que parece desproporcionado, en- quanto que a pele do prepúcio encontra-se, muitas vezes, unida à

não devendo ser forçada para se proceder à sua desunião. As meninas costumam, ao longo dos primeiros dias de vida, apresentar a vulva inflamada, com os pequenos lábios completamente revestidos pelos grandes lábios tumefactos e com o clítoris proeminente. Para além disso, a paragem da acção das hormonas maternas pode favorecer a manifestação de uma secreção vaginal esbranquiçada, a qual costuma, ao Fim de uma semana, estar cheia de sangue, assemelhando-se a uma pequena menstruação - embora seja surpreendente, não constitui nenh ma anomalia, nem necessita de qualquer tratamento especial.

Comportamento

Topo Ao longo dos primeiros dias de vida, o recém-nascido costuma dormir a maior parte do tempo, alternando períodos de três ou quatro horas de sono com outros de meia hora a hora e meia de vigília, já que normalmente apenas acorda para pedir alimento. Apesar de, no início, o bebé não ter uma regularidade específica, tendo tendência para acordar durante a noite com alguma frequência, ao fim de poucas semanas começa a adaptar-se ao horário estabelecido pelos pais. Quando está em repouso, o bebé mantém os braços e as pernas flectidas, a cabeça virada para um lado e as mãos fechadas, com o polegar sobre o resto dos dedos. Enquanto dorme, costuma mostrar-se tranquilo e respira com regularidade, embora por vezes se agite ou suspire.

A relação do bebé com o mundo exterior durante esta época baseia-se, essencialmente, no contacto que mantém com a mãe quando esta o alimenta. Quando está acordado, mostra-se agitado e chora facilmente, de modo a manifestar que tem fome, que está molhado, que tem frio ou calor, que se sente incomodado ou desconfortável com algo, etc. - o choro é o seu único meio para pedir a atenção dos seus pais, constituindo o seu principal método de expressão. O choro do bebé é um indicativo de que necessita de algo - embora seja difícil de definir, os pais depressa aprendem a conhecer o que eles pretendem, tendo em conta que, por vezes, o bebé apenas se sente sozinho e apenas quer que o tenham nos braços e o acariciem.

Informações adicionais

Marcas de nascimento

Topo

A maioria dos recém-nascidos evidencia manchas de cor vermelha na sua superfície cutânea, conhecidas como "marcas de nascimento", correspondentes aos nevus vasculares Existem vários tipos, todos eles provocados por alterações congénitas circunscritas dos vasos sanguíneos da pele, com uma evolução distinta. Os mais comuns são os angiomas de tom vermelho vivo com saliências, que têm a tendência para aumentar de tamanho ao longo dos primeiros meses, desaparecendo espontaneamente nos primeiros três anos de vida; porém, existem outros, igualmente frequentes, que são planos e que se localizam na pálpebra, base do nariz, face ou nuca e costumam desaparecer em alguns meses, ainda que alguns persistam durante toda a vida. Pode-se evidenciar igualmente um angioma típico de tom azul escuro na parte inferior das costas, conhecido como "mancha mongólica", que costuma desaparecer ao fim de poucos meses.

Sinais vitais

Topo

Os sinais vitais normais de um recém-nascido são:

• Frequência cardíaca: entre 120 e 160 batimentos por minuto.

• Frequência respiratória: entre 30 a 50 respirações por minuto, por vezes irregular e com pausas até cinco segundos.

• Temperatura do corpo: cerca de 37°C, com variações entre os 36,5°C e os 37,5°C.

• Pressão arterial: entre os 60 e os 90 mmHg para a máxima e entre os 30 e os 60 mmHg para a mínima.

Icterícia fisiológica do recém-nascido

Topo

Em condições normais, os glóbulos vermelhos do organismo do bebé, ou seja, as células sanguíneas encarregues do transporte do oxigénio, são significativamente destruídos após o nascimento, porque depois de se estabelecer a actividade pule de se ter adaptado as funções respiratória e circulatória à nova situação, já não são necessários tantos glóbulos como no período fetal. Esta destruição de glóbulos vermelhos origina um aumento da concentração sanguínea de hemoglobina, o pigmento próprio destas células, e do seu principal produto de degradação, a bilirrubina, um pigmento amarelado que tem de passar por um processo de metabolização no fígado, de modo a ser posteriormente eliminado através da matéria fecal e da urina. Como o fígado do recém-nascido ainda se encontra imaturo, não costuma ser capaz de metabolizar toda a bilirrubina, o que favorece o aumento dos níveis deste pigmento no sangue: caso ultrapasse um determinado limiar, proporciona a sua deposição na pele e nas mucosas, provocando a produção de uma icterícia, ou seja, a típica coloração amarelada dos tegumentos. Enquanto os níveis sanguíneos de bilirrubina se mantiverem dentro de determinados limites, a situação é considerada normal e não constitui qualquer perigo para o bebé, sendo denominada icterícia fisiológica do recém-nascido, uma situação que ocorre aproximadamente em metade dos recém-nascidos, com uma proporção mais elevada nos prematuros. A icterícia costuma manifestar-se ao fim das primeiras 24 horas de vida, sendo mais intensa um ou dois dias depois, após os quais começa a diminuir até desaparecer totalmente no quinto ou sexto dia. Apesar de a icterícia fisiológica não necessitar de qualquer tratamento especial, existem casos em que se detecta uma concentração anormalmente elevada de bilirrubina no sangue, correspondente a uma hiperbilirrubinemia neonatal, muito menos frequente, mas mais grave; então, é necessário recorrer-se a um tratamento de fototerapia, uma terapêutica baseada na exposição do corpo do bebé nu a lâmpadas especiais, cuja luz contribui para uma mais rápida metabolização da bilirrubina depositada nos tegumentos. Todavia, existem muitos casos em que se procede a um tratamento de fototerapia nos bebés com icterícia fisiológica simplesmente como forma de prevenção, até que a situação seja avaliada com uma maior precisão.

Para saber mais consulte o seu Pediatra
Este artigo foi útil?
Artigos relacionados
PEDIATRASVer todos
Dor lombar e ciática Aparelho locomotor/exercício físico
Dor cervical Aparelho locomotor/exercício físico
Artrose Aparelho locomotor/exercício físico
Nódulos e pólipos das cordas vocais Aparelho respiratório/glândulas endócrinas
Lesões dos meniscos Aparelho locomotor/exercício físico
Tumores benignos do ovário Aparelho reprodutor/sexualidade