Púrpuras

Conjunto de doenças que se caracterizam pelo aparecimento na pele e nas mucosas de manchas com típica coloração avermelhada ou violeta, de diferente tamanho, provocadas
por hemorragias nos tecidos subjacentes.

Causas

Topo

As púrpuras são originadas quando, por vários motivos (à excepção de traumatismos), o sangue que circula nos vasos sanguíneos mais finos tende a atravessar as paredes e a acumular-se nos tecidos vizinhos, formando aglomerações de sangue que se podem localizar em vários tecidos do organismo, embora apenas sejam visíveis ao nível da pele e das mucosas, como manchas de tonalidade vermelha ou violeta.

Entre as causas mais frequentes, destaca-se a trombocitopenia, um défice de plaquetas, elementos do sangue que desempenham um papel fundamental na coagulação. Como a função das plaquetas é reparar as lesões que, embora mínimas, se produzem continuamente nos vasos sanguíneos mais finos, o seu défice provoca hemorragias que evoluem para púrpuras. Um outro mecanismo frequentemente implicado na formação de púrpuras, é a fragilidade capilar, ou seja, uma debilidade exagerada da parede dos pequenos vasos sanguíneos, que favorece as rupturas capilares praticamente espontâneas e a saída de sangue até aos tecidos circundantes. Existem algumas doenças específicas em que o aparecimento de púrpuras constitui a manifestação mais característica e, por isso, englobam a sua designação: púrpura trombocitopénica idiopática, púrpura reumatóide e púrpura comum. Por vezes, as púrpuras apenas constituem mais uma manifestação de uma doença sistémica, como acontece em caso de carência de vitamina C, de diversas doenças auto-imunes, de vários tipos de septicemia, de algumas doenças da medula óssea e em caso de insuficiência renal.

Púrpura trombocitopénica idiopâtica

Topo

É uma doença de causa desconhecida que se caracteriza pela excessiva destruição das plaquetas do sangue, o que favorece o aparecimento de hemorragias capilares e de manchas na pele e mucosas. A doença é pouco frequente e pode apresentar-se em qualquer idade, embora seja mais comum nas crianças e nos jovens. Actualmente, pensa-se que a exagerada destruição de plaquetas pode dever-se a uma doença auto-imune, ou seja, a uma reacção anómala do sistema de defesa que erradamente produz anticorpos capazes de atacar as próprias plaquetas. De facto, é provável que esta doença auto-imune seja provocada por infecção viral, mas a teoria ainda não foi confirmada.

Manifestações. O défice de plaquetas propicia o aparecimento de hemorragias em diferentes partes do organismo, embora sejam mais evidentes na pele e nas mucosas, onde provocam a formação de púrpuras. Por vezes, manifestam-se através de inúmeras manchas pontiagudas (petéquias), noutros casos através de extensas manchas violáceas (equimose), podendo igualmente adoptar uma forma linear (vibices). Todavia, também é comum a produção de hemorragias internas que se exteriorizam através de canais naturais: hemorragias nasais, vaginais, do aparelho urinário (sangue na urina) ou do aparelho digestivo (fezes de cor escura).

Evolução. A evolução da doença é imprevisível, embora possa diferenciar-se de acordo com a idade do paciente. De facto, nas crianças, a doença costuma ter um início súbito e, normalmente, apenas persiste durante poucas semanas, após as quais tende a desaparecer espontaneamente. Por outro lado, nos adultos, costuma evoluir de forma crónica, alternando períodos de exacerbação dos sintomas com períodos relativamente assintomáticos, sem a manifestação evidente de qualquer sintoma.

Tratamento. Como não se conhece a causa da doença, não se pode efectuar um tratamento específico. Para atenuar as hemorragias, recomenda-se repouso e a prevenção de fricções e traumatismos. Por vezes, deve-se recorrer à prática de transfusões de concentrados de plaquetas para diminuir o seu défice e, em al-guns casos, pode ser útil a administração de corticosteróides.

Púrpura reumatóide

Topo

Esta doença deve-se a uma inflamação dos capilares sanguíneos provocada por uma reacção alérgica desencadeada pelo contacto com agentes aos quais o paciente é particularmente sensível. De facto, em pessoas sensíveis, o sistema imunitário reage de forma anómala, atacando os vasos capilares perante estímulos muito diversos, como a existência de focos infecciosos, o consumo de determinados alimentos ou a administração de determinados medicamentos. O resultado é uma extrema fragilidade dos capilares, que se rompem à mínima pressão ou até de forma espontânea, originando hemorragias e o consequente aparecimento de púrpuras.

A doença incide principalmente nas crianças e nos jovens, com maior predominância no sexo masculino.

Costuma ter um início súbito, com febre, mal-estar e púrpuras. As manchas cutâneas podem ser punctiformes (petéquias) ou extensas (equimoses) e localizam-se, sobretudo, no tronco, nádegas e nos membros inferiores. Por vezes, as manchas estão rodeadas por uma zona de pele dilatada e de tonalidade amarela, um fenómeno provocado pela inflamação. Outras manifestações frequentes são as hemorragias intestinais, hemorragias articulares que provocam dor e inflamação (especialmente nos joelhos e tornozelos) e hemorragias urinárias.

O prognóstico da doença é favorável, já que na maioria dos casos as manifestações são o aparecimento de pontos avermelhados, que desaparecem espontaneamente ao fim de alguns meses. O tratamento baseia-se em repouso absoluto durante as exa-cerbações da doença, associado à administração de corticosteróides ou imunossupressores.

Púrpura comum

Topo

Esta doença, que normalmente afecta as mulheres com mais de 40 anos, é a mais frequente das púrpuras, embora seja igualmente a menos perigosa. As hemorragias são provocadas por um extremo adelgaçamento dos tecidos que suportam os pequenos vasos capilares do tecido subcutâneo, ficando consequentemente mais débeis e frágeis e caracterizando-se pelo aparecimento de típicas manchas violetas, por vezes extensas e persistentes, localizadas frequentemente nos músculos, antebraços e costas das mãos. Também surgem com alguma frequência manchas mais pequenas no palato e na mucosa que reveste o interior da boca.

Normalmente, as hemorragias capilares responsáveis pelas manchas não provocam grandes problemas, à excepção dos de índole estética. Quando o seu aparecimento coincide com a menopausa, é aconselhável o recurso a uma terapêutica de substituição hormonal, através da administração de estrogénios.

Informações adicionais

Doença ou sintoma?

Topo

Por vezes, o termo púrpura é utilizado para designar uma doença, enquanto que noutros casos corresponde mais a uma manifestação de algumas doenças.

Púrpura como doença:

• Púrpura trombocitopénica idiopática

• Púrpura reumatóide

• Púrpura comum

• Púrpura menstrual

Púrpura como sintoma:

• Escorbuto ou défice de vitamina C

• Doenças auto-imunes

• Septicemia

• Doenças da medula óssea

• Insuficiência renal

Tipos de púrpura

Topo

As manchas cutâneas podem adoptar várias formas e tamanhos. Algumas têm denominações específicas:

• Petéquias: são manchas pontiagudas, do tamanho de uma cabeça de alfinete ou até mais pequenas.

• Vibices: são manchas dilatadas, com a forma de estrias.

• Equimoses: são manchas extensas, semelhantes às que se produzem em consequência de traumatismos.

Punção de medula óssea

Topo

Por vezes, para estabelecer a causa da diminuição das plaquetas no sangue deve-se efectuar uma punção-biopsia da medula óssea.

Para saber mais consulte o seu Hematologista
Este artigo foi útil?
Artigos relacionados
Procurar Médicos
Precisa de ajuda?
Porque perguntamos?
Dor lombar e ciática Aparelho locomotor/exercício físico
Dor cervical Aparelho locomotor/exercício físico
Artrose Aparelho locomotor/exercício físico
Nódulos e pólipos das cordas vocais Aparelho respiratório/glândulas endócrinas
Lesões dos meniscos Aparelho locomotor/exercício físico
Tumores benignos do ovário Aparelho reprodutor/sexualidade